Canvas Office Landscape

Design Jeffrey Bernett, Nicholas Dodziuk, Douglas Ball e Joey Ruiter
Fabricante Herman Miller

Harmonia, opção e conexão para as empresas e seus espaços de trabalho.

História do Produto

Os ambientes Canvas são projetados para refletir a cultura de uma organização e melhorar seu desempenho. Um conjunto de elementos simples proporciona estrutura, superfície, armazenamento e suporte para todo tipo de ambiente de trabalho. A solução Canvas resulta da abordagem holística da Herman Miller aos ambientes e à experiência de trabalho como um todo.

Mais. E menos.

Os ambientes de escritório de hoje valorizam fatores como opção, conexão, sustentabilidade, tecnologia, mundo virtual, globalização, redes e transparência. Além disso, preocupam-se menos com imóvel, formalidade, papel, presença física e a sensação de estar preso a uma mesa, a um espaço específico e a ideias antiquadas. Todas essas características do mundo atual do trabalho se somam para criar uma abordagem centrada na comunidade.

Trata-se de um conjunto de elementos simples e completo. Com a linha Canvas, você terá mais flexibilidade para alterar e expandir o layout do seu escritório, você terá mais opções, mais conforto, mais espaço para deixar que o talento das pessoas apareça. A linha Canvas cresce junto com a estrutura da sua empresa.

Opção

Opções em excesso chegam a intimidar. Ao oferecer um conjunto vasto, porém coeso de opções, a linha Canvas permite criar ambientes completos e integrados, que são flexíveis, bonitos e reproduzíveis.

A linha Canvas é simples. Consiste em um conjunto de peças que permite customizar seu ambiente de trabalho. E então modificá-lo quando as circunstâncias mudarem, porque sempre mudam. Os componentes da linha Canvas se encaixam com a imagem, as necessidades funcionais e a marca de uma organização, criando um ambiente único e harmônico em um pavimento ou mesmo um edifício inteiro.

Harmonia

As organizações mais bem-sucedidas integram o ambiente de trabalho, o trabalho e o trabalhador em um conjunto harmônico. A solução coesa oferecida pela linha Canvas pode criar desde espaços públicos a escritórios particulares, ajudando as pessoas a trabalhar mais facilmente juntas. Com a linha Canvas, você pode refletir a cultura, os valores e as necessidades de trabalho da sua organização.

Os diversos espaços de trabalho da linha Canvas possibilitam criar espaços sociais interativos, que oferecem suporte à tecnologia, às pessoas e à criatividade. É possível integrar várias telas, cabos e fontes de energia no ambiente para manter as conexões humanas e estimular interações criativas.

Conexão

A tecnologia, que permite levar o trabalho para praticamente qualquer lugar, aliada a uma geração de trabalhadores que se movem sem parar desafiam o ambiente de trabalho estático. Hoje, as pessoas podem trabalhar (e, de fato, trabalham) em qualquer lugar.

A linha Canvas ajuda a conectar trabalhadores móveis e seu trabalho. Oferecendo ambientes de trabalho que acomodam e se adaptam à tecnologia, a linha Canvas permite encontrar o espaço necessário à tarefa sendo feita a qualquer momento e de múltiplas formas: aberto, fechado; trabalho individual, em grupo; casual, formal; reuniões planejadas, não planejadas; contemplativo, social.

Sustentabilidade

A linha Canvas foi desenvolvida de acordo com o protocolo "Cradle to Cradle" e tem a certificação GREENGUARD, que ajuda a obter créditos LEED. Os componentes da linha são 69 por cento recicláveis. As molduras são de aço 100 por cento reciclável: o conteúdo de uma estação de trabalho comum é 36 por cento reciclável.

História do Design

A Herman Miller atua no design de ambientes de trabalho desde a década de 1930, com mesas projetadas por Gilbert Rohde. George Nelson e Charles e Ray Eames desenharam mesas, arquivos e outros tipos de móveis para escritórios para a marca nas décadas de 1940 e 1950. Na década de 1960, a Equipe Quickborner desenvolveu, na Alemanha, um conceito radical de Bürolandschaft (ou ambiente de escritório), um princípio de organização para os ambientes de trabalho. E, em 1968, Robert Propst e a Herman Miller Research Corporation mudaram completamente o paradigma do mobiliário de escritório com o inovador Sistema Action Office.

Durante as décadas seguintes, desenvolvemos outras soluções em móveis, cada uma com suas próprias características, com base nas necessidades em constante transformação de nossos clientes.

Com o novo milênio, veio a constatação de que nossos clientes precisavam de um novo tipo de solução de mobiliário, uma solução holística e integrada, que, de forma simples, permitisse o uso de todo o espaço utilizável. A pesquisa realizada entre 2001 e 2003 concluiu que os sistemas de móveis satisfaziam bem as necessidades dos trabalhadores em espaços definidos, mas não conseguiam criar boas soluções para espaços não definidos.

Além disso, verificou-se que os sistemas de móveis nem sempre permitiam a designers e arquitetos expressar as diferentes personalidades e culturas das organizações. As necessidades dos escritórios estavam mudando, como sempre acontece. A importância dos espaços comuns crescia rapidamente, e as necessidades das equipes de trabalho aumentavam e praticamente não eram atendidas.

Essa pesquisa deu origem à ideia por trás da linha Canvas, que começou como uma combinação da pesquisa que havíamos feitom dos sistemas atuais projetados por Doug Ball e Ruiter Joey, e novos projetos de Jeffrey Bernett e Dodziuk Nicolas, da empresa nova-iorquina Consultants for Design Strategy. O desafio de Bernett e Dodziuk foi incorporar duas linhas existentes da Herman Miller para criar um conjunto coeso de peças para espaços de trabalho individuais, de escritórios particulares a plantas livres.

Bernett e Dodziuk formavam a equipe ideal para realizar a tarefa. Os dois trabalharam juntos por muitos anos na CDS e suas experiências compreendem grande variedade de projetos, como assentos para aviões e design gráfico de bens de consumo. E os dois adoram trabalhar com móveis. Segundo Bernett, em qualquer projeto, "o usuário final deve vir em primeiro lugar: Quem vai usar ou querer isto e por quê? Claro que também há critérios de desempenho; e então a pergunta passa a ser: Como vamos fabricar o que estamos criando?" Os dois designers sempre se interessaram pelo funcionamento das coisas. Bernett conta que já se "sentia em casa dentro de uma oficina quanto tinha 10 anos de idade". Dodziuk afirma que herdou dos pais — seu pai era matemático e a mãe, artista — os genes que lhe permitem usar os dois lados do cérebro. "Com móveis, os problemas são complexos, mas as soluções são simples", diz ele.

Mas trata-se de um tipo específico de "simplicidade". Bernett cita a seguinte declaração, atribuída a Oliver Wendell Holmes: "Eu não daria nada pela simplicidade do lado de cá da complexidade, mas daria a minha vida pela simplicidade do outro lado da complexidade". Em outras palavras, para alcançar a simplicidade funcional, primeiro é preciso entender a complexidade.

"Acredito que o design nos ajuda a entender o mundo em que vivemos e a nos conectar uns com outros", comenta Bernett. "Os melhores produtos antecipam e definem necessidades e comportamentos futuros e, em última análise, proporcionam equilíbrio, harmonia e simplicidade para nossas vidas complicadas".


voltar ao topo