Don Chadwick

Escritório/Estúdio

Don Chadwick & Associates, Santa Monica, California

Prêmios/Reconhecimento

1990 Time magazine, Design: Best of the Decade for Equa chair
1984 IBD Gold Award for Equa chair
1980 IBD and IDSA awards for casegoods
1977 The Governor's Award, Design Michigan Exhibition
1970, 71, 73, 74 Award for Design Excellence, ID magazine

Don Chadwick

Don Chadwick não é um daqueles designers que dizem que seu “verdadeiro” estúdio está na sua cabeça. O seu estúdio fica, na verdade, em Santa Mônica, obrigado, mas ele prefere chamá-lo de "um laboratório experimental".

"Mãos à obra, estamos prontos para nos arriscar", ele diz.

A sua aparelhagem de laboratório inclui serras e lixadeiras, tornos mecânicos, furadeiras fixas e tornos de bancada—em vez de um computador que controle tudo numericamente. A informática, reconhece Chadwick, é ótima para algumas coisas, mas quando ouve alguém sugerir que uma nova cadeira pudesse ter sido mais bem projetada por computador, ele diz, com educação, "Você deve estar louco!".

"A única maneira de ter certeza que uma cadeira é confortável é, de fato, sentar-se nela e fazer os ajustes necessários", afirma Chadwick. "Um computador não consegue lidar com a sutileza do design de uma cadeira. Cadeiras boas são muito complexas".

Muito complexas? Sim, e não apenas para os computadores.

"A maioria dos designers industriais não leva o design de mobília a sério", diz. "Eles não são treinados para atingir certo tipo de detalhe. É algo muito pessoal, como uma cirurgia. E, além disso, você tem de estar apaixonado por este tipo de trabalho".

A paixão de Chadwick pelo design de mobília remonta à sua infância, quando seu avô carpinteiro o ensinou como utilizar as ferramentas do ofício—ferramentas manuais que exigiam habilidade, precisão e paciência. Mais tarde, ao contrário dos outros alunos de design industrial da UCLA (Universidade da Califórnia) em meados dos anos 50, concentrou-se no design de mobília. E após ouvir uma palestra de Charles e Ray Eames ali, Chadwick se convenceu: a mobília oferecia aos designers, mesmo aos designers industriais, a chance de utilizar materiais de maneira original e inovadora – e "fazer a diferença" de verdade na vida das pessoas.

Ele atribui pelo menos uma parte de seu otimismo ao "atrevimento de Los Angeles" que ele vivenciou como habitante do Sul da Califórnia. "Há menos medo de cometer erros por aqui, por isso as pessoas estão mais aptas a correrem riscos. É um solo fértil para a inovação".

Por mais de duas décadas agora, Chadwick tem sido sócio desse atrevimento. "A Herman Miller não tem medo de arriscar novas idéias. É por essa razão que a companhia tem tido sucesso por tanto tempo, e esse é um dos motivos pelo qual é desafiador trabalhar para eles".

A relação Santa Monica-Zeeland continua, com o laboratório experimental agitado ao som de lixadeiras e serras elétricas. Isso, afinal, é o que fazem os verdadeiros estúdios de design.